Português
 Dicas
 Erros grosseiros

 Encontros consonantais
 Dígrafos
 Reforma Ortográfica
 Se não x Senão
 Concordância
 Emprego do Hífen
 Crase
 Conjunções
 Porquês
 Macete para as escolas literárias

Redação
 Melhore sua redação em 10 passos
 Na prova de redação confira as dicas de cada gênero

 Fique ligado nos fatos
 Os sete pecados da redação

Matemática
 Dicas rápidas de porcentagem
 Como calcular juros

História
 A revolução de 1930 (resumo)
 A origem dos povos americanos

Física 
 O poder devastador da energia nuclear

 Vídeos explicativos
 Espaço no M.R.U. e M.R.U.V
 Calorimetria
 Pressão
 Eletricidade e Campo Elétrico
 Campo Elétrico e Capacidade Térmica
 Macetes e Dicas

Biologia
 Biossíntese dos aminoácidos
 Resumo sobre briófitas

 Cadeia respiratória da membrana mitocondrial
 Macetes e Dicas de Biologia

Química
 Alotropia
 Carbono

 Átomos
 Dicas e Macetes

Geografia
 Buraco na camada de ozônio
 Rochas
 Dicas e Macetes de Geografia

Literatura / Resumo de livros
 O que você precisa saber
 Dom Casmurro - Machado de Assis

 Iracema - José de Alencar
 Memórias De Um Sargento De Milícias - Manoel Antônio de Almeida
 Vidas Secas - Graciliano Ramos

 

 

Iracema - José de Alencar

- O resumo da obra.

O livro Iracema de José de Alencar, considerado romântico da fase indianista aborda a história de amor entre Martim que se perdeu na mata e a índia Pitiguara Iracema, também denominada no romance como a virgem dos lábios de mel. O guerreiro branco é acolhido pela tribo de Iracema que se apaixona pelo rapaz, no entanto, por ser filha do pajé e guardar o segredo da jurema ela não poderia se entregar a nenhum homem.
Enquanto Iracema toma conta do seu hóspede, os índios da tribo tabajara se preparam para a guerra contra os pitiguaras, assim Poti, índio que se unira aos brancos e amigo de Martim, aparece para levá-lo evitar uma luta entre os índios de tribos rivais. Eles combinam que Martim sairá na mudança da lua, ocasião em que os tabajaras estariam em festa e ficaria mais fácil os dois evitarem o encontro com o guerreiro Irapuã, que é apaixonado por Iracema. Enquanto esperava o momento de partir, Martim provou o licor da jurema e, durante o sono, chamou por ela que atendeu ao pedido dele. Quando Martim acordou, achou que tudo tinha sido um sonho, quando na verdade tudo foi real. Chega o dia dele partir, Iracema o acompanha até os limites de sua tribo, quando ele manda que ela fique, a índia diz que não pode ficar, pois já é sua esposa. Os tabajaras os perseguiram e houve o confronto entre as duas tribos. Iracema chorou pela morte de seus irmãos, mas passou a viver feliz com Martim.
Depois de certo tempo muito felizes, Martim deixa Iracema para ajudar os pitiguaras na luta contra a tribo dela, deixando Iracema grávida, sendo consumida pela tristeza e a saudade de seu marido. Após um longo período de lutas, Martim e Poti bolam uma estratégia de defesa, escondem os guerreiros e atacam de surpresa, vencendo o inimigo. Durante este combate, Iracema dá a luz a seu filho, que se chama de Moacir - filho da dor. Pela tristeza, ela perde o apetite e as forças. Quando volta do combate, Martim a encontra fraca, à beira da morte. Ela apenas apresenta o filho ao marido e morre, pedindo que a enterre aos pés do coqueiro que ela tanto gostava. Após enterrá-la, Martim pega o filho e parte para a Europa.

Fonte: NetSaber

- Biografia do autor.

Incurável romântico José de Alencar (1829-1877) nasceu no Ceará. Ele é considerado um dos principais autores do romantismo brasileiro e também fundador do romance temática nacionalista. Formando em direito em 1850, iniciou a carreira literária nos jornais Correio Mercantil e Diário do Rio de Janeiro. Em 1861, ingressou na vida política, elegendo-se deputado. Entre 1868 e 1870, foi ministro da Justiça, mas não conseguiu realizar o sonho de se tornar senador: seu nome foi vetado por D. Pedro II. Os especialistas costumam dividir sua obra em quatro fases: a indiana, de O Guarani (1857) e Iracema (1865), a urbana, de Lucíola (1862) e Senhora (1875), a regionalista, de O Gaúcho (1870) e O Sertanejo (1875), e a histórica, de Guerra do Mascates (1873). Alencar morreu aos 48 anos, vítima de tuberculose.
Romantismo
O romantismo foi uma das principais tendências artísticas e literárias da primeira metade do século XX - no mundo e também no Brasil. Seu sucesso coincidiu com a formação dos estados modernos e ascensão da burguesia como classe social, que foi seu principal público leitor. Seus principais produtos se baseiam na subjetividade, na idealização e sacralização do amor, na expressão particular do indivíduo e no nacionalismo. Não por acaso, Iracema é um dos mais explícitos romances românticos brasileiros: na obra estão reunidos alguns temas caros do estilo, como o tema do amor proibido (entre uma índia e o colonizador) e a luta pela formação de uma nação, o Brasil.

Fonte: http://veja.abril.com.br/educacao/livros-vestibular.shtml


-Possíveis questões do Vestibular.


O que pode cair?

“A questão da prosa poética, ou seja, a forma como Alencar escreve o romance, é muito importante e costuma ser bastante questionada nas provas. É um trabalho lírico, que traça - com linguagem bastante rebuscada e ideologia romântica - a formação do povo brasileiro, substanciada no amor entre o índio (Iracema) e o colonizador português (Martim). Outro aspecto é a relação entre os índios românticos de Alencar, ainda idealizados, e aqueles que surgiriam depois, não-idealizados, típicos de modernismo.” — Célia Passoni - Coordenadora de Língua Portuguesa.

“A Fuvest já fez perguntas sobre o enredo, inclusive sobre personagens pouco conhecidos, para testar quem realmente leu o livro na íntegra. Isso pode voltar a ocorrer, mas as questões sobre a linguagem devem ser mais constantes. O livro está entre as obras que podem apresentar grandes dificuldades para o aluno, devido principalmente à linguagem rebuscada.” — Eduardo Calbucci - Professor de literatura.

Fonte: http://veja.abril.com.br/educacao/livros-vestibular.shtml


© Copyright sinapsenet.com.br - Todos direitos reservados
Webmail SinapseNET
Desenvolvido por: Pulso Comunicações